LILY ALLEN - A VERSÃO BRITÂNICA DO CONTROLE MENTAL

Lily Allen já não é mais nova na indústria da música, já faz um bom tempo que ela lançou seu primeiro disco e alcançou sucesso mundial. Se você está por dentro da música, você provavelmente já ouviu falar dessa artista alguma vez. Britânica, a cantora começou sua carreira cedo, ganhando notabilidade postando material na Internet, o que atraiu milhares de ouvintes e fez com que ela conseguisse mais rápido um contrato para lançar seu disco. Seu primeiro álbum, lançado em 2006, vendeu mais de 2 milhões de cópias e atingiu o topo das paradas inglesas.LEIA O RESTANTE AQUI

Vítima de Abuso: Político Britânico "Assassinou" Garoto em Festa de Orgia

[ terça-feira, 9 de dezembro de 2014 | 0 comentários ]

 O local da antiga Elm House Guest em 
Barnes, onde o abuso é dito ter acontecido.

Uma suposta vítima de uma rede sexual de pessoas de alto nível afirma que um deputado conservador matou um menino durante uma festa de orgia, que contou com a presença dos ricos e poderosos da Inglaterra na década de 80.

Os recentes escândalos que emanam da Grã-Bretanha envolvendo políticos de alto nível, empresários e celebridades (veja sobre Jimmy Savile) fornecem-nos um vislumbre do mundo obscuro e torpe da elite oculta. Uma de suas obras favoritas: Caçar crianças inocentes, violentá-las de maneiras terríveis, alimentando-se de sua juventude, como se fosse uma fonte de força vital. Esses crimes não são o produto de alguns indivíduos pervertidos, eles são o resultado de um grupo de nível elevado e altamente institucionalizado, que foi apelidado de rede de pedofilia Westminster.

Uma suposta vítima da rede de Westminster, que agora tem mais de 40 anos de idade, recentemente afirmou ter sido um dos 15 meninos que foram abusados nas mãos da rede poderosa. De acordo com o The Telegraph:


Um deputado conservador assassinou um menino durante uma festa de orgia na década de 80, uma suposta vítima do escândalo de pedofilia em Westminster afirmou. 

O menino de 12 anos de idade, que estava sendo abusado por um grupo de homens, foi estrangulado pelo político em um condomínio de luxo na frente de outras vítimas, foi alegado.

Em outra ocasião, a vítima alega que outro jovem rapaz, que tinha cerca de dez anos de idade, foi deliberadamente atropelado e morto por um carro dirigido por um de seus agressores.

Os supostos assassinatos estão entre os três que estão agora sendo investigados pela Polícia Metropolitana, como parte de uma grande investigação sobre alegações de que uma rede poderosa com ligações com Westminster operou na Grã-Bretanha nos anos 70 e 80. 

(...)

Ele afirma que depois de ter sido entregue ao grupo pelo seu pai, ele era regularmente levado em carros para hotéis e apartamentos, onde era fisicamente e sexualmente abusado por  "militares e políticos mais velhos". 

Alguns dos abusos teriam ocorrido em apartamentos no Dolphin Square, em Pimlico, onde vários políticos têm suas casas em Londres. 

O homem, que tem falado em detalhe para detetives da Scotland Yard, disse que ele tinha testemunhado dois assassinatos de vítimas de abuso por membros do grupo. 

Ele disse ao Sunday People que estava no mesmo quarto que um menino de 12 anos de idade, quando um político o estrangulou até a morte.

O assassinato teria sido testemunhado por uma outra vítima de abuso, que estava no quarto no mesma hora.

Ele disse: "Eu assisti enquanto isso acontecia. Eu não sei como eu saí disso. Se eu nunca irei saber por que eu sobrevivi, eu não tenho certeza."

Em outra ocasião, ele afirma que um membro da gangue atropelou deliberadamente uma das vítimas, no que ele descreveu como um esforço para demonstrar seu poder.

Um terceiro rapaz foi assassinado durante uma orgia em que outro político estava presente, o homem contou aos detetives.

- The Telegraph


A situação vivida por essas jovens vítimas é semelhante a de escravos de controle mental. De acordo com o acusador:


"Eles eram pessoas muito poderosas e controlaram a minha vida pelos próximos nove anos. Eles criaram o medo que penetrava cada parte de mim, no dia a dia. Você não perguntava o que eles queriam, você fazia o que eles pediam, sem dúvida, e as punições eram muito severas".

"Eles não hesitavam em fazer o que eles queriam fazer", disse Nick. "Alguns deles eram bastante abertos sobre quem eles eram. Eles não tinham medo algum de ser pego, isso não passava pela  mente deles."

 - The Telegraph
 

Como você pode ver, essas alegações ostentam todas as marcas da elite oculta. Crianças pequenas dadas pelos seus pais às altas redes de poder; abuso repetitivo e ritualístico; assassinatos gratuitos que podem ser sacrifícios de sangue. E essa é apenas a ponta do iceberg.

Será que a Scotland Yard irá prender e punir esses criminosos? Considerando o fato de que as autoridades estão basicamente metidas nisso (eles encobriram essas histórias ao longo de décadas), eu não contaria com isso.

 
Fonte: VC

Veja Mais  
Jimmy Savile: Um Exemplo Clássico de Abusador da Indústria do Entretenimento Protegido pela Elite
Terry Richardson Acusado de Explorar e Abusar de Modelos

O Simbolismo Illuminati no American Music Awards 2014

[ sábado, 29 de novembro de 2014 | 14 comentários ]

O American Music Awards 2014 contou com estrelas como Taylor Swift, Iggy Azalea e Jennifer Lopez. Embora esses artistas pertençam a diferentes gêneros musicais, todos estavam cantando a mesma canção: "Nós somos peões da elite". Caso em questão: Suas performances estavam repletas de simbolismo Illuminati.

Assistir a uma premiação é uma experiência estonteante e entorpecente para a maioria das pessoas, mas elas se tornam uma experiência verdadeiramente revoltante para aqueles que entendem seu simbolismo subjacente. No artigo sobre o VMA 2014, expliquei que esse show foi sobre a "sexualização excessiva trazida por fantoches da indústria da música". Embora produzido por outra rede de televisão, o American Music Awards 2014 foi uma continuação perfeita dessa tendência. Os mesmos poucos artistas tiveram a exposição que eles tanto anseiam ao subirem ao palco e se apresentarem (aqueles que estão sempre sob os holofotes), vimos as mesmas celebridades no meio da multidão reagindo exageradamente a canções medíocres (assistir a Taylor Swift ou as irmãs Jenner dançando um novo single é uma ótima maneira de levar as pessoas a fazer o download no iTunes) e a mesma mensagem é finalmente trazida: para fazer sucesso na indústria, você tem que promover a mensagem da elite.

Vamos analisar as mensagens degradantes e desumanas que foram servidas ao público durante o AMA 2014.

Taylor Swift mata um Bando de Homens 

O AMA começou com o ídolo da América suburbana: Taylor Swift. As meninas a amam porque ela é tão "legal e realista". Matar ritualisticamente um bando de homens de maneiras terríveis é algo "legal e realista"? Bem, foi essa a sua performance... E eu não sei se muitos "swifties" (sim, é assim que os fãs de Taylor Swift são chamados) entenderam essa mensagem. Taylor Swift não é mais a artista  humilde que dedilhava o violão - ela está no pop Illuminati agora.

Durante a performance de seu single "Blank Space", Swift faz o papel de uma mulher rica devoradora de homens.

  A performance começa com Swift sentada em uma sala de jantar 
elegante com algum pobre coitado. Observe o padrão dualista no fundo
 que se refere à conotação ritualística do ato.

  A sala, em seguida, estende-se para baixo e revela o terrível 
destino dos homens na pintura. Eles são suas vítimas do passado. 

 Swift, em seguida, dá uma maçã vermelha para o pobre coitado 
(a cor é importante), que imediatamente come como um idiota e
 morre. Assassinato é legal quando Taylor Swift faz.

Todo o cenário é feito de um padrão preto e branco dualista justaposto com objetos que são vermelhos, a cor do sacrifício de sangue. Passando-se em uma mansão elegante, a performance refere-se aos sacrifícios de sangue que a elite oculta gosta de fazer.

Swift detém uma rosa vermelha que está pegando fogo. 
Ela possui uma chama em sua outra mão, insinuando a feitiçaria 
mortal envolvida em seus assassinatos.

  Os dançarinos são realmente homens mortos que foram mortos por Swift. Um 
olhar mais atento em seus trajes durante a apresentação revela que um deles
 foi atropelado por um carro, outro foi baleado várias vezes no peito e outro 
foi estrangulado. Muito legal. Observe as cortinas vermelhas no fundo.

Essa performance é mais um exemplo da elite querendo fazer a morte e o assassinato algo legal e sexy.

  Alguém está batendo na porta vermelha de Taylor (que foi 
arranhada por alguém que tentou escapar). Quem poderia ser?

Outro pobre coitado. *** Aplausos para Taylor Swift! ***

A boa e saudável Taylor Swift fez o papel de uma rica senhora de elite que sacrifica homens dentro de uma grande mansão. Os "swifities" gostaram de tudo isso!

Charli XCX 

Charli XCX é claramente uma nova favorita da indústria da música. Sua performance no AMA foi uma ocasião perfeita para "introduzi-la" para o público americano. O resultado? Outra performance ritualística codificada com cores para simbolizar uma iniciação à indústria da música.

  Charli começou a performance vestida com um vestido virginal em um
 cenário semelhante a de um baile de formatura da escola. Tanta inocência.

  Na música seguinte, ela tira o vestido para revelar uma 
roupa preta. Seu nome aparece em letras pegajosos brancas
 no fundo... o que é nada sexual de jeito algum. 

A performance segue a narrativa clássica da "boa menina virou má" - onde a artista começa vestindo branco, parecendo um pouco pura para depois se transformar em uma bomba sexual vestida de preto. Britney Spears, Rihanna, Beyoncé, Lady Gaga, Taylor Swift e muitas outras estrelas pop passaram por essa narrativa em um ponto ou outro de sua carreira.

 Charli terminou sua performance com sua virilha na cara de um rapaz 
com máscaras de coelho. Bem-vindo à indústria da música, Charli! 

Iggy Azalea - P*ssy Power 

Como se para enfatizar o fato de que somente um seleto grupo fica nos holofotes, Charli XCX voltou ao palco com Iggy Azalea... que mais tarde teve Jennifer Lopez.

Iggy começou a sua performance fazendo uma conferência de imprensa de brincadeira, mas cercada por um logotipo muito simbólico.

 Este poderia ser o logotipo oficial da programação Sex Kitten. O rosto de um gato 
que tem um raio (representando o eletrochoque) dividindo a cabeça na metade
 (representando a fragmentação da psique dos escravos MK).

Debaixo da cabeça do gatinho eletrocutado está a palavra "poder", o que é quase irônico, pois nenhum desses escravos tem qualquer poder sobre suas vidas.

A segunda canção apresentada por Iggy foi "Beg for It" (Implorar por Isso) e sua letra está em linha perfeita com sua persona Beta-kitten. As primeiras palavras da canção praticamente se referem a ela ser uma prostituta.


Chego com a aparência perfeita, baby 
O preço é alto, mas eu valho a pena, baby 
 

As primeiras palavras do segundo verso explicam o que logotipo do gato "P*ssy Power" significa. Embora seja possível interpretar isso como uma marca de feminismo mentalmente desafiadora, a marca é, na verdade, sobre ser uma Beta-kitten.


P*ssy Power, me paga a cada hora.


A capa do single "Beg For It" apresenta Azalea e um felino
 atrás dela - o que representa o seu alter-persona Beta-kitten. 

Sim, eu estava "implorando por isso"... Implorando para que essa música terminasse.

Todos os Olhos de Fergie 

Em seguida, Fergie entrou no palco para apresentar seu single "LA Love", que é sobre amar Los Angeles. Não há necessidade de incorporar um monte de símbolos Illuminati nisso, certo? Errado. Seu videoclipe e sua performance no AMA foram banhados de simbolismo Illuminati.

 A performance de Fergie começou com um monte de Olhos Que
 Tudo Vê assustadores piscando no escuro, como se a elite ocultista
 estivesse dizendo: "Nós estamos de olho em você". 

 O vídeo da música de Fergie e sua performance no AMA ambos giram em
 torno de um único objeto: Um ônibus estranho e colorido com uma "entrada"
 mais estranha ainda. Por que tanta ênfase nessa "entrada"? Porque 
é uma réplica da entrada de um templo maçônico. 

Fergie se apresenta na frente de uma entrada feita de dois pilares - na qual estão desenhados Olhos que Tudo Vê - com um triângulo em cima. Esse é um projeto clássico utilizado nas imagens e arquiteturas maçônicas.

  Aqui estão duas pinturas maçônicas que apresentam entradas
 maçônicas feitas de colunas que sustentam um triângulo. Ambas 
as imagens têm um Olho Que Tudo Vê acima. 

 As entradas de duas lojas maçônicas reais. 

No final de sua performance, Fergie tirou algumas de suas roupas (ela realmente não precisa) e ficou entre os dois pilares. Será que ela estava se preparando para sua iniciação?

J-Lo tentando permanecer Relevante 

Jennifer Lopez está procurando ser uma estrela relevante na indústria da música novamente. O que ela deve fazer? Passo 1: Faça uma canção chamada "Booty" feat. Iggy Azalea. Passo 2: Promova a programação Kitten.

  J-Lo de quatro, enquanto estampas felinas são projetadas
 sobre ela. Sim, isso é outro olá à programação kitten. 

Mas espere, essa cena não é um pouco familiar?

 Esta é uma cena do vídeo "Partition" da Beyonce. Ela está dançando 
como uma stripper enquanto estampas de animais são projetadas sobre ela. 

Será que a equipe de J-Lo não tem imaginação? Não é isso. A semelhança é porque a equipe de J-Lo é, na verdade, a equipe de Beyonce, que também é a equipe de Iggy Azalea. Elas são todas peões do mesmo grupo que os usa para promover seus códigos específicos.

  Para passar a mensagem Beta-kitten da performance, Iggy Azalea e 
Jennifer Lopez se apresentam em torno de um stripper pole, enquanto 
padrões dualistas são projetados sobre elas. Belas modelos 
para as mulheres jovens em todo o mundo. 

Conclusão 

Quer seja o MTV Video Music Awards, o Grammy ou American Music Awards, estive analisando essas premiações por anos (enquanto também tentava esconder a minha aversão por elas), pois são todas um espelho da indústria da música. Esses shows são de fato um reflexo claro dos rituais, dos símbolos e da agenda da elite. Se alguém ler todos os meus artigos sobre essas premiações, um padrão claro e óbvio emergirá - que não pode ser ignorado ou descrito como "coincidência".

As premiações não existem para premiar os artistas mais merecedores, elas são um evento de mídia cuidadosamente planejado que celebra aqueles por trás da indústria da música... E essas pessoas são simplesmente doentias. O AMA 2014 foi uma mistura profana de sexualização excessiva e desumanização, salpicada com rituais velados e simbolismo oculto. E todo esse lixo foi intercalado com cenas rápidas das Kardashians dançando com um olhar vazio em seus rostos. Em suma, se você não assistiu a essa premiação, você fez a coisa certa.
 

Fonte: VC

Veja Mais 
A Iniciação Oculta de Taylor Swift no Brit Awards 2013 
Grammy 2013: As apresentações de Taylor Swift, Carrie Underwood "Blown Away" e o Tributo ao Controle Mental

,

Nicki Minaj "Only" ou Como Rappers pagam Tributo a Seus Senhores da Elite

[ domingo, 23 de novembro de 2014 | 9 comentários ]

 
O vídeo com a letra da canção "Only" retrata Nicki Minaj como uma ditadora em um ambiente semelhante ao nazista. Seus acólitos Lil Wayne, Drake e Chris Brown representam vários ramos da elite oculta. Por que rappers querem glorificar um regime que matou e oprimiu milhões - especialmente as minorias? Porque eles são marionetes da elite - e a elite secretamente adora ditaduras opressoras.

"Lyric Videos" geralmente são vídeos simples que mostram a letra de uma canção. Deixe isso para Nicki Minaj e sua equipe e eles transformam um vídeo lírico em uma saudação perturbadora para ditaduras violentas e uma homenagem a seus senhores da elite. Depois de "canalizar" o molestador de crianças condenado, Roman Polanski, com seu "alter-ego" Roman Zolanski, Nicki Minaj agora desempenha o papel de Hitler literalmente. Embora alguns possam dizer que o vídeo é "uma maneira de dizer que a gravadora Young Money domina o rap", não é. A única razão pela qual a Young Money está obtendo grande exposição é porque seus "artistas" estão empurrando ativamente a Agenda da elite (veja meus inúmeros artigos sobre Nicki Minaj e Lil Wayne). Também vale a pena mencionar que a mesma ditadura emulada nesse vídeo enviou milhões de pessoas para campos de concentração e massacraram a maioria delas. E isso só aconteceu há algumas décadas. Quem gostaria de estar associado a isso? Ninguém, exceto os peões Illuminati que são ditos o que tem que fazer. A elite oculta sempre secretamente aprovou as medidas da Alemanha nazista (veja como a Operação Paperclip trouxe 1500 de trabalhadores nazistas para a América). E, por meio da negação gradual dos direitos básicos e liberdades combinada com o aumento de táticas do estado policial, a elite está procurando ativamente orientar a América de volta para essa direção. O vídeo de Nicki Minaj está tentando fazer todo aquele horror parecer legal e sexy de alguma forma.

"Only", no entanto, não é só sobre a Segunda Guerra Mundial na Alemanha. Trata-se da elite oculta de hoje e suas tendências totalitárias. Cada artista na canção retrata uma "filial" da elite - um "ângulo" do qual eles controlam as massas. O rap costumava ser sobre a "luta contra o poder" - é agora é sobre "servir o poder". Por esta razão, Nicki Minaj, Drake, Lil Wayne e Chris Brown são retratados como chefes de um regime opressivo, ditatorial e militarista - que é para onde a elite quer nos levar.

Nicki Minaj: A Líder Carismática

 Todas as ditaduras precisam de um líder carismático que as massas ignorantes temerão e idolatrarão. Esse papel é desempenhado por Minaj.

  Minaj está em pé na frente de aviões de guerra que vão para guerra em 
algum lugar. Sim, aparentemente, guerra é agora algo legal. Uma antena
 é usada para espalhar a sua propaganda. 

  Quando Minaj diz "Yo", o som sai da antena e transforma o mundo
 em vermelho. Isso representa como os políticos espalham a propaganda
 da elite que permanece nas sombras.

  Esta é uma réplica do portão de Brandemburgo, durante a Alemanha nazista. 
A única diferença é que vemos o logotipo da Young Money nos banners ao invés
 de uma suástica... e há também Nicki Minaj ampliada cirurgicamente em cima.

  Desfile nazista sob o Portão de Brandemburgo, 1930.

  Em cada lado de Minaj estão figuras encapuzadas escuras. Elas 
são a elite sombria secretamente controlando o líder carismático?

Chris Brown - O Militar 

A elite depende de uma força militar de alta tecnologia para invadir países e oprimir seu próprio povo através de um policial militar. Chris Brown faz o papel do general.

  Chris Brown como um general, em pé na frente de armas. 

Note que Chris Brown está vestindo o uniforme de um general americano - dando a entender que o vídeo é sobre uma ditadura moderna. Trata-se da elite ocultista procurando trazer uma Nova Ordem Mundial. Outras imagens apontam para a mesma direção.

  Imagens de mísseis modernos atirando são mostradas, enquanto 
Chris Brown está cantando. Será que sofremos tanta lavagem cerebral 
para nos alegrarmos enquanto assistimos a mísseis explodindo?

  Em várias ocasiões, vemos imagens de câmeras de vigilância
filmando você, o espectador. Vigilância de alta tecnologia é um
 importante elemento parte da Nova Ordem Mundial. 

Não havia câmeras de vigilância durante a Segunda Guerra Mundial. Mostrar câmeras de vigilância permite que você saiba que é sobre o estado policial que a elite está tentando trazer agora. Nos últimos anos, tem havido um esforço constante para mostrar câmeras de vigilância em vídeos de música para normalizar a sua existência. Eles querem que você pare de perceber que o "Big Brother" está te observando.

Drake - Religião de Estado

Por que Drake, que é judeu, está participando de um vídeo que é muito inspirado na Alemanha nazista? Ele está consciente de que, se ele tivesse vivido na Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, ele seria mandado para um campo de concentração para viver em condições terríveis, até sua execução? De qualquer forma, no vídeo, Drake está vestido como um padre católico, mas a sua "Igreja" não é o cristianismo - é uma religião de Estado criado pela ditadura.

  O logotipo de YM está no banner dentro da Igreja (e no chapéu de
 papa do Drake), indicando que essa religião foi criada para servir
 aos interesses da ditadura. 

  O livro de Young Money. Provavelmente está cheio de letras de rap terríveis.

Lil Wayne - Mega-Corporações 

Existe uma pessoa que parece ser mais corporativa do que Lil Wayne? A resposta é: Sim, existe. Lil Wayne, no entanto, representa a mega-corporação que são de propriedade da elite mundial.

  Lil Wayne de terno dentro de uma sala de reuniões
 para tomar decisões de negócios importantes. 

Mega-corporações são "ramos de negócios" da elite e sempre tem sua palavra nas decisões internacionais (pesquise sobre executivos de corporações que assistem às reuniões do Grupo Bilderberg e da Comissão Trilateral). Essas corporações possuem os meios de produção de várias indústrias e possuem quase todos os meios de comunicação.

  O logotipo YM em outdoors, para que você saiba que a elite usa meios de
 comunicação para promover a sua ditadura, como se fosse um produto. 


 O rosto de Lil Wayne na televisão: Filmes, vídeos de música 
e programas de TV são usados para promover a ditadura.

Conclusão

O vídeo com a letra da música de "Only" causou polêmica devido ao sua saudação à Alemanha nazista. Mas ele vai mais longe do que isso. Trata-se de uma ditadura moderna, com vigilância de alta tecnologia, armamento militar avançado e propaganda de mídia de massa. Em suma, é sobre as várias maneiras que a elite de hoje está tentando trazer um governo totalitário para o mundo - a Nova Ordem Mundial. Embora o vídeo faça com que os artistas pareçam poderosos e no controle, eles permanecem peões, usados para colocar um rosto "atraente" para o regime que a elite está tentando trazer.

Por que esses artistas aceitariam estar sendo associados com a guerra, a opressão, a morte, o sofrimento humano e a loucura militarista? Porque ninguém perguntou os seus pontos de vista políticos, eles têm que fazer aquilo que lhes forem dito. E isso é o que Young Money está fazendo.

Fonte: VC

Veja Mais
Fergunson: Prova que os EUA está se tornando um Estado Policial Militarizado 
Protestos em São Paulo: Uma Apresentação da Agenda do Estado Policial 

 

, ,

Lily Allen: A Versão Britânica da Indústria Illuminati de Controle Mental

[ domingo, 16 de novembro de 2014 | 8 comentários ]

Lily Allen já não é mais nova na indústria da música, já faz um bom tempo que ela lançou seu primeiro disco e alcançou sucesso mundial. Se você está por dentro da música, você provavelmente já ouviu falar dessa artista alguma vez. Britânica, a cantora começou sua carreira cedo, ganhando notabilidade postando material na Internet, o que atraiu milhares de ouvintes e fez com que ela conseguisse mais rápido um contrato para lançar seu disco. Seu primeiro álbum, lançado em 2006, vendeu mais de 2 milhões de cópias e atingiu o topo das paradas inglesas. Feito impressionante para quem estava apenas começando em um mercado super competitivo,  no qual o número de vendagens está cada vez menor. A cantora foi até mesmo indicada a premiações importantes como o Grammy Awards e o Brit Awards.

Para alguns, Lily Allen seria a versão britânica de Britney Spears ou Miley Cyrus. Embora Lily pertença a indústria inglesa, o simbolismo oculto, encontrado frequentemente no trabalho de artistas mainstream da indústria americana, é também facilmente identificado em seu trabalho. Aliás, há simbolismos oculto no trabalho dessa artista desde o início de sua carreira. Isso implica que Lily foi recrutada cedo e que não há diferença entre a indústria americana e a britânica. Na verdade, os "chefes" são os mesmos e, para conseguirem sucesso no mercado mundial Illuminati, os artistas britânicos são geralmente submetidos aos mesmos procedimentos que os demais: iniciação e controle mental.

A capa do primeiro disco de Lily Allen traz os primeiros símbolos 
ocultos, entre eles o famoso piso maçônico e a mão chifrada.

Vídeo da música "LDN" - o quadriculado preto e branco na camiseta do 
rapaz não é aleatório. Durante o vídeo, a artista aparece de vestido vermelho -
 cor do sacrifício e da iniciação.

No vídeo da música "The Fear", Lily Allen parece estar sendo iniciada
 em uma mansão de elite. O chão quadriculado preto e branco, característico 
desses rituais ocultos, não poderia faltar nesse vídeo.

Não demorou muito tempo após o lançamento de seu primeiro disco e Lily Allen já estava fazendo notícia pelas suas estranhas aparições em público e pelo seu abuso de álcool e drogas. Embora seja fácil sempre colocar a culpa nas drogas e no álcool, esse tipo de comportamento errático parece ser um dos primeiros sintomas que uma vítima de controle mental monarca começa a apresentar. Drogas e álcool são sintomas de um problema muito mais profundo, de que algo não vai bem na mente.

Por volta de 2008, amigos e familiares começaram a se preocupar com Lily e imploraram para que ela fosse submetida a um centro de reabilitação "rehab" (lembre-se que rehab é uma palavra código para reprogramação em termos de controle mental). Sua situação começou a se assemelhar a de outras estrelas que, após alguns anos de sucesso, caminharam em direção a um padrão de autodestruição. Embora de forma mais leve, muitos temeram que Lily fosse se tornar a versão britânica do escândalo de Britney Spears (uma escrava MK óbvia).

Assim como Britney Spears, durante a época do "surto", Lily Allen fez aparições públicas com perucas ou com cabelo colorido. A troca da cor do cabelo ou a "troca de perucas" representa a alternância das personas, pois quando alguém sofre de transtorno de múltipla personalidade (que é o resultado final do controle mental), cada personalidade tem sua característica emocional e comportamental.

Lily Allen com o cabelo rosa. Cores diferentes de
 cabelo e perucas são indicadores de mudança de persona.

Sheezus

Afastada da mídia desde o lançamento do seu segundo álbum, Lily Allen retornou à música com o sucessor de It’s Not Me, It’s You. Após o período de promoções, performances e shows do álbum, em 2009, a agenda da cantora tornou-se restrita a sua vida pessoal, priorizando o desejo da cantora em construir uma família e engravidar. Lily ficou muito tempo fora dos grandes holofotes e durante esse período, a cantora fez apenas participações artísticas menores. Depois de sofrer mais um aborto espontâneo, ela engravidou do seu atual marido, Sam Cooper, em 2011, dando luz à Ethel Mary e, em 2013, nasceu a segunda filha do casal, Marnie Rose.

Depois de muitos rumores e polêmicas a respeito de sua vida e comportamento, Lily retornou neste ano com o seu terceiro álbum, "Sheezus". Embora o disco não tenha sido um grande sucesso (mas temos que levar em conta que em 2014, pouquíssimos álbuns foram bem sucedidos), "Sheezus" é o trabalho mais simbólico que a cantora já lançou. O próprio nome já esconde bastante significado e indica que Lily, além de estar aparentemente iniciada no ocultismo, como a maioria dos artistas mainstream, é mais uma escrava Beta de mente controlada.

Capa do disco "Sheezus" de Lily Allen. Em entrevista, a cantora
 confirmou que "Sheezus" (she = ela) é a versão feminina de Jesus e 
que baseou o nome do disco no conceito de "Yeezus", de Kanye West.

Em 2013, Kanye West lançou o disco "Yeezus" e na ocasião dissemos que o nome reflete o objetivo das sociedades secretas: ascender da humanidade à divindade. "Yeezus" seria a fusão de Kanye West, o homem, com Jesus Cristo. Os mistérios ocultos afirmam transformar homens em deuses através da iniciação espiritual. Nessa mesma linha, o "Sheezus", de Lily Allen, tem o mesmo objetivo, mostrar que a divindade não é algo intocável, e que ela também pode ascender à divindade igualmente. Essa identificação com o conceito oculto do trabalho de Kanye West pode indicar que ela também está "mergulhada" em alguma dessas sociedades secretas.

O vídeo para a música "Sheezus" está cheio de simbolismos piscando em questão de segundos e deixa claro que o conceito de seu álbum não é nenhum pouco espiritual.

Lily e chifres de diabo. Eu acho que "Sheezus" não é a versão feminina de Jesus.

Um triângulo em um do de seus olhos, deixando claro que esse vídeo é Illuminati.

Além do título simbólico de seu terceiro álbum e do vídeo "Sheezus", Lily Allen retornou ao mundo da música lançando o vídeo "Hard Out Here", que, embora pareça satirizar a indústria da música pop e o controle dos "chefes" sobre o corpo e imagem das cantoras, mostra Lily Allen também como mais uma escrava Beta dessa indústria.
 
No vídeo "Hard Out Here", Lily se comporta como uma perfeita 
Beta-kitten, glamourizando a "prostituição" e o comportamento
 hiper-sexualizado de uma escrava  Beta-kitten, enquanto canta 
"está difícil aqui fora para uma vadia".

Embora a letra da música de "Sheezus" e o vídeo "Hard Out Here" contenham elementos que nos faz pensar que a cantora pudesse estar realmente satirizando o cenário pop (que, de fato, se tornou nada mais do que um ringue, em que uma cantora tenta ser melhor ou vender mais do que a outra, com roupas e vídeos apelativos), o comportamento de Lily Allen não é nenhum pouco diferente das demais "divas" do pop. Na música "Sheezus", ela cita Katy Perry e Lady Gaga, por exemplo, porém, essa crítica pareceu apenas estratégia para chamar atenção em torno do lançamento de seu disco, pois Lily, assim como as demais, também está dentro do ringue e quer vender, não medindo esforços para isso.

Neste ano, Lily Allen fez aparições na turnê de Miley Cyrus para ajudar a 
promover o então fracassado "Sheezus". Eu acho que se ela estivesse realmente 
criticando a indústria da música pop do fundo do seu coração, Miley Cyrus
 provavelmente seria a última opção para se juntar.

Air Balloon

Talvez os elementos mais expressivos que indiquem a participação de Lily Allen na cultura de controle mental MK estão no vídeo "Air Balloon", em que a cantora aparece ao lado de zebras e onças em um cenário composto por imagens gráficas. Seria mais um vídeo de música aleatório se não conhecêssemos o significado oculto desses elementos.

 Borboletas monarcas aparecem o tempo todo em torno de sua cabeça.A borboleta
monarca é o principal símbolo da programação monarca...uma maneira de mostrar 
que sua mente está sob controle. A mesma programação monarca que 
impera na indústria americana.

Aliás, dezenas de borboletas monarcas aparecem no vídeo...

 Além da borboleta monarca, vemos outro símbolo importante do controle mental
Beta. Lily Allen aparece com uma chita. Uma referência à programação Beta que 
transforma mulheres em escravas sexuais "felinas" (kitten).

A dualidade preto e branco, sempre presente nesses tipos de vídeo,
 é referenciada aqui por esta zebra. Foram bastante criativos desta vez.

Cogumelos começam a brotar do chão. Cogumelos estão relacionados a 
alucinógenos, que são utilizados no controle mental para fazer a vítima
 dissociar-se completamente. Uma alusão ao filme "Alice no País
 das Maravilhas", um filme sobre controle mental.

 De repente, Lily Allen começa a levitar e flutuar para fora do planeta...uma forma
 de mostrar a sua dissociação da realidade. A dissociação é uma ferramenta 
chave no controle mental monarca.

 Enquanto Lily paira no espaço, uma imagem sombria de Jesus crucificado
 passa por perto. Uma forma de dizer que por meio do controle mental, Lily Allen
 atingiu o status de "Sheezus"... ela conseguiu ascender da humanidade à divindade.

Conclusão

Embora Lily Allen seja britânica e tenha aparentemente satirizado as cantoras pop atuais no álbum "Sheezus", não há nada que indique que ela não seja também uma escrava MK e que não esteja sob controle dos mesmos manipuladores. O simbolismo encontrado em seu material, seu comportamento e seu relacionamento com outros artistas revelam que ela está dentro do mesmo ringue, disputando uma fatia da atenção do público. O vídeo da canção "Air Balloon" deixa tudo mais claro com referências à programação monarca e é tão expressivo quanto os vídeos de Rihanna ou Lady Gaga. Lily também precisa promover a mesma agenda que os demais artistas do outro lado do Atlântico. Recentemente, a cantora  mostrou-se decepcionada com as vendagens de "Sheezus" e pôs a culpa nela mesma...é, como diz a letra de sua própria música... "está difícil aqui fora para uma vadia".

Veja Mais
Lana Del Rey diz "Queria estar Morta" e o Sacrifício da Indústria da Música em "Born to Die"
Ariana Grande: A Nova Queridinha da Indústria da Música Illuminati?